Textos e Convidados Especiais


Prefácio

“Na nossa sociedade há um mercado emergente de” medicinas “para todos nossos problemasque , muito timidamente , vem sendo prescritas eaplicadas com muito sucesso.

São gotinhas homeopáticas de solidariedade ; pílulas de toques e encontros ; injeções de esperança e otimismo ; massagens para descongelar os corpos e os corações ;compressas de calor e compaixão ; tônicos para descongelar os sorrisos; chás de ternura ; banhos de justiça; bulas de respeito pelo direito do outro ; hospitais para recuperação de drogados ; cantadores que resgatam o sorriso das nossas crianças doentes . escolas , brinquedotecase outos espaços criativos voltados , principalmente, para as crianças poderem canalizar pela arte , pelo jogo , pelo movimento , pela expressão verbal , corporal e musical a energia represada .

Cuidado com o corpo na saúde e na doença ; com a gente mesmo ; com o outro ; com as nossas crianças , com a nossa casa ; coma nossa cidade; com o nosso planeta ; com a nossa alma..... “( Adriana Friedmann,psicologa).

ESSA É A GRANDE MEDICINA INDEPENDENTE DA FORMA TERAPÊUTICA ESCOLHIDA.


O que é a Homeopatia?

A Homeopatia é um tratamento que nos convida a percorrer nossa história pessoal refletindo quem somos e como adoecemos com a finalidade de identificar uma substancia semelhante à essa totalidade e capaz de restabelecer o estado de saúde”

Homeopatia é uma palavra de origem grega e quer dizer “doença semelhante” (Homeo =semelhante e pathos=doença)

É uma ciênciaterapêutica criada por Samuel Hanhemann, no final do séc XIX, através do uso da lei dos semelhantese demedicamentos preparados de uma forma especial (isto é são diluídos e dinamizados ou succucionados)que agem naEnergia Vitaldo paciente, equilibrando-a e fortalecendo-a

Atualmente a Homeopatia é uma Especialidade Médica , Farmacêutica e Veterinária

Sabemos que toda manifestação patológica é uma forma do organismo se comunicar e tentar voltar ao seu equilíbrio anterior. Quando, porém, esse reequilíbrio não é conseguido o desequilíbrio vai se aprofundando e a criança (ou o adulto) começam a ficar mais doentes.

Refazer esse equilíbrio é a arte médica.

Especificamente a homeopatia agindo na força vital, pelo estímulo medicamentoso, consegue que o organismo tenha reações que o conduzirão de volta à harmonia, diminuindo suas suscetibilidade às doenças e tornando-o mais saudável física e psiquicamente.

Para isso precisamos saber muitos detalhes  além dos sintomas da patologia, propriamente dita. Fazemos muitas perguntas aparentemente "estranhas", porém muito importantes para identificarmos o medicamento mais indicado. Por exemplo, duas crianças estão com amidalite .Clinicamente poderão ter o mesmo diagnóstico e receberiam , provavelmente, o mesmo medicamento na medicina tradicional. Para um homeopata é essencial o diagnóstico clinico porém precisamos observar mais detalhes para darmos uma boa medicação.

Vamos supor que uma das crianças é magrinha e alta, está com febre após ter ficado no frio e vento.Está com o rosto muito vermelho, bebe muita água e está muito inquieta. A outra, também, está com amidalite, mas apesar da febre está pálida, sem sede, e só quer ficar encostada na pessoa mais próxima .A mãe percebeu que "depois que o irmãozinho nasceu, ela anda ficando mais doentinha".O diagnóstico é o mesmo, mas as causas e as crianças são, claramente, muito diferentes. Então na terapêutica homeopática daremos duas medicações diferentes e que sejam semelhantes às manifestações totais de como aquela criança  apresenta sua doença.

 A isso chamamos de individualização do paciente. Assim, dois pacientes diferentes com a mesma doença poderão receber remédios diferentes, isto porque, além do quadro clínico levamos em conta as observações que fazemos do próprio paciente, suas peculiaridades físicas e emocionais, suas angústias, suas características particulares, comportamentos, sonhos marcantes, transpiração, preferências alimentares e etc.

O tempo que o organismo tem para  responder ao medicamento também  é essencial, mas não se preocupe, em um caso agudo a resposta ao medicamento também deve ser   rápida e eficaz! Em casos mais crônicos podemos esperar mais tempo.

As  causas desencadeantes também são muito importantes e valorizadas para escolhermos o melhor tratamento e medicamento ..Para a homeopatia, situações de stress, perdas, mágoas, medo excessivo, indignação, cólera reprimida e outras sempre foram consideradas importantes como desencadeantes de doenças. Hoje isso já é aceito e comprovado, também, na medicina tradicional.

É um trabalho sensível e conjunto, médico e paciente, pois quanto mais o paciente se conhecer e se observar (ou ao seu filho/a), melhor  passará seus sintomas e características  importantes e tão pessoais  para seu o médico e  ele, por sua vez , poderá escolher o melhor  medicamento

Bibliografia: Fundamentos da Homeopatia para estudantes de medicina e de ciências da saúde. Organização Paulo Rosenbam.

Aos que se tratam pela Homeopatia - Célia Barollo.


Um pouco de história : Hanhemann e a lei dos semelhantes

Cristiano Frederico Samuel Hanhemann, considerado o Pai da Homeopatia , nasceu em Meissem, pequena cidade da Saxônia em 10/04/1755.

Era de origem humilde e foi alfabetizado pelo pai .Iniciou seus estudos aos 12 anos e revelou muita facilidade para aprender línguas estrangeiras, ciencias naturais e química, além de grande curiosidade e inteligência.Aos 20 anos entrou para o curso de medicina onde, para se manter, lecionava francês, inglês e alemão e fazia traduções.

Formou-se em Medicina em 1779. Exerceu a profissão por alguns anos e era muito admirado por sua arte e seus diagnósticos. Era, também, um grande estudioso de química publicando vários trabalhos. Porém, apesar do sucesso, estava desgostoso com a prática médica da época.

Cientista e experimentador que era, achava muito empírica a forma como se praticava a medicina e resolveu abandonar sua profissão passando a sobreviver fazendo traduções e dando aulas novamente.

Em 1790, através da tradução de um livro de medicina da época chamado “Matéria Médica de Cullen” Hanhemann ficou muito impressionado com a indicação clínica China Officinallis (quina) para o tratamento da malária (a febre intermitente).Ele sabia, por meio de outras literaturas, que essa planta era capaz de produzir febres em pessoas sadias que a tomassem.

Ficou fascinado por descobrir que uma substância que produzia febre ser também capaz de curar a febre. Ele sabia que esse era um princípio conhecido desde o tempo de Hipócrates e referendado por Paracelsos como uma antiga lei terapêutica natural de cura que se baseava no princípio dos semelhantes “Similia similibus curantur” isto é, “os semelhantes se curam pelos semelhantes”. Essa lei afirmava exatamente isso, que uma substância capaz de produzir determinadas alterações em uma pessoa saudável seria, também, capaz de curar esses mesmos sintomas em uma pessoa doente.

China Officinalis era conhecida por tratar febres intermitentes. Curioso, teve sua grande idéia e resolveu testar em si mesmo para ver o que acontecia.

Começou, então, a tomar o medicamento repetidamente. A cada dose ingerida ,um acesso de febre intermitente o assaltava.

Esse fato o impressionou de tal maneira que começou a registrar suas observações sobre o efeito da substância no seu corpo. Com o tempo aumentou a experiência e registrou sistematicamente a ação de várias medicações em si mesmo e no organismo de outras pessoas sensíveis .Continuou fazendo essas experiências (que deu o nome de “patogenesias”) com diversos medicamentos até formar uma coletânea que ele chamou de “Matéria Médica Homeopática“

Como experimentava também,substancias venenosas começou a dilui-las para evitar seus efeitos tóxicos e percebeu que mesmo assim faziam efeito principalmente quando esses medicamentos eram agitados (succionados)

Finalmente havia achado uma forma lógica e sistemática para prescrever .Ele havia codificado o princípio da Lei dos Semelhantes, que já existia mas estava “adormecido”.

Hanhemann volta a clinicar e continua estudando....

Aprofunda-se cada vez mais nas pesquisas e 6 anos depois (1810) publica a primeira edição do seu livro básico “O Organon da Arte de Curar” .Incansável, ainda escreve mais cinco edições sendo a última publicada após sua morte .Em 1811 publica o primeiro volume de “Matéria Médica Pura”, contendo as patogenesias dos medicamentos que tinha testado silenciosamente em si mesmo e em amigos juntamente com os sintomas que reunira a partir de vários registros de intoxicações ou envenenamento pelas mesmas substâncias.

Era uma nova forma de ver e tratar as pessoas doentes. Nesses livros, Hanhemann expõe toda sua teoria e método terapêutico com regras minuciosas para exame e tratamento.

Sua doutrina, apesar de chocar muitos médicos contemporâneos, conquistou adeptos que colaboraram muito para a experimentação e difusão de suas idéias na Alemanha, Áustria , Hungria, Itália e França. Com o tempo foi ganhando adeptos pelo mundo todo

Hahnemann faleceu com 88 anos em Paris, onde foi sepultado cercado de honrarias.

Assim foi criada a Homeopatia (nome que também foi criado por ele).

Bibliografia: Biografia de Hanhemann - Revista de homeopatia ,publicada pela APH - volume 59 – n-3-4 ,1994

Criança Livre - Uma visão homeopática e holística – Dr .Carlos Brunini e Dr. Carlos Sampaio


Medicamentos Homeopáticos

Os medicamentos homeopáticos são  produzidos de forma especial: São diluídos (doses infinitesimais  ou mínimas)  e dinamizados (técnica especial empregada na elaboração do medicamento quando, depois de feitas as diluições, são feitas agitações, também chamadas succuções e essas dinamizações sucessivas permitem a liberação do que chamamos  "informação homeopática" isto é a "energia do medicamento".

Esse método permite diminuir eventuais efeitos tóxicos da substância original e aumentar seu poder curativo.É por isso que é possível a utilização de substâncias tóxicas e muitas vezes até venenos sem causar mal ao paciente.

A potência do medicamento significa quantas vezes ele foi dinamizado (diluído e agitado).

Esses medicamentos potencializados vão agir na : "Força ou Energia Vital" do paciente equilibrando –o e melhorando seus sintomas.

São medicamentos muito sensíveis  devendo ser guardados longe de todos os aparelhos  elétricos  (tv, micro, geladeira, celulares, auto falantes, etc). Devem, também, ser protegidos do sol direto, da umidade, da poeira, de perfumes fortes e principalmente da cânfora (é o antídoto universal dos medicamentos homeopáticos).

São individualizados não devendo ser consumidos ou indicados para outros pacientes sem consultar o seu médico. Devem ser ingeridos, preferencialmente, longe das refeições.


Força vital e Vitalismo

O Vitalismo é a aceitação da presença de um princípio energético, imaterial, responsável pela vida (Força ou EnergiaVital). Essa força é responsável pela manutenção do estado de saúde e foi reconhecida e aceita em praticamente todas as civilizações e culturas desde a época mais remota.Antigos povos da China ,África ,Egito, Índia, Europa, Américas e outros sempre aceitaram e tinham concepções complexas sobre a natureza imaterial do Ser Humano.

Hipócrates, considerado até hoje como o Pai da Medicina, já acreditava na existência de uma energia curativa, que chamava de "Vix Medicatrix Naturae", ou seja , via natural de cura e que a doença seria, muitas vezes, a tentativa do corpo restabelecer sua harmonia novamente. Assim em qualquer doença e tratamento, essa energia é o agente principal e o que os médicos devem fazer é remover ou diminuir os empecilhos ao fluxo adequado dessa energia e assim restaurar a saúde.

Estudando as causas das doenças, Hanhemann também aceitou esse princípio como responsável pela vida, por manter e condicionar todos os fenômenos biológicos e por manter esse equilíbrio instável que se chama saúde. Essa energia está capacitada para reagir normalmente e se reequilibrar frente aos estímulos externos, dentro de certos limites ou níveis fisiológicos.Se esses limites são ultrapassados essa energia se desequilibra manifestando a doença.

Para a Homeopatia, crida nos moldes do Vitalismo, as doenças são, portanto, os desequilíbrios dessa força interna (energia vital) que ordena a saúde e regula nosso corpo e mente de forma dinâmica e harmônica.

O medicamento, preparado especialmente, age nessa força vital estimulando-a e equilibrando-a.

Bibliografia: A natureza imaterial do Homem.- Estudo comparativo do vitalismo Homeopático com as principais concepções médicas e filosóficas. Marcos Zulian Teixeira.


A presença da Homeopatia no Brasil e no mundo

A aceitação da homeopatia como uma forma autônoma e válida de medicina depende da legislação de cada país. Eis o panorama conforme vigente até esta data (5 de fevereiro de 2010):

  • Austrália: à semelhança do qu ocorre no Reino Unido, a homeopatia é legalizada como prática médica, por ato do parlamento.
  • Bélgica: a homeopatia é reconhecida, desde que praticada por médicos. Cerca de 25% da população belga utiliza por vezes medicamentos homeopáticos.
  • Brasil: No Brasil já se falava sobre a Homeopatia desde 1818pelos viajantes vindos da Europa mas só em 1840 através do Dr Benoit Mure , médico francês , é que se iniciou sua propagação no Rio de Janeiro e a Homeopatia se popularizou ,principalmente no meio não médico. Em 1843 fundou-se o Instituto Homeopático do Brasil. Em 1980 a Homeopatia foi reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e em 1990 foi reconhecida como uma especialidade médica pela Associação Médica Brasileira.
  • Espanha: a homeopatia é reconhecida como especialidade médica, sendo ensinada nas universidades de Sevilha, Valladolid, Múrcia, Barcelona, Bilbao e Málaga.
  • EUA: depois de ter sido popular no começo do século XX e ter declinado, a homeopatia ressurge, com escolas de formação em vários estados. Na década de 80 havia cerca de 1000 médicos homeopatas, e outros três mil profissionais usando homeopatia, inclusive dentistas, veterinários e psicólogos.
  • França: a homeopatia segue as regras estabelecidas por Phillipe de Lyon, que só aceita as potências até CH30. Estes medicamentos, prescritos por médicos, são reembolsados pelo sistema público de saúde. Quase todas as farmácias francesas vendem medicamentos homeopáticos.
  • Índia: há mais de 120 escolas de homeopatia, ligadas a universidades e a hospitais. 19 delas são mantidas pelo governo.
  • Países Baixos: a homeopatia não tem reconhecimento oficial, mas uma lei de 1996 garante o direito de cada pessoa escolher entre o tratamento pela medicina oficial ou por outra forma de terapia.
  • Portugal: a Ordem dos Médicos não reconhece a homeopatia como especialidade médica. No entanto, existem duas associações, uma em Lisboa (SPH) e outra no Porto (SPMH), que aceitam apenas médicos como membros. As farmácias em Portugal vendem medicamentos homeopáticos com autorização do Infarmed.
  • Reino Unido: a homeopatia é legalizada como prática médica. Um ato do parlamento inglês de 1950 (Ato da Faculdade de Homeopatia) reuniu as leis e regulamentos sobre a prática da homeopatia.
  • República Checa: há cerca de mil médicos homeopatas clássicos, que não receitam apenas remédios homeopáticos porque as companhias de seguro não cobrem os gastos.
  • Romênia: a homeopatia foi legalizada em 1969, e é exercida apenas por médicos. Há cerca de setecentos homeopatas no país.

Fonte: Wikipédia

Dra Cris Consultórios:
Av. Min. Gabriel de Resende Passos, 500 - cj1013 - Moema – São Paulo - Tel: (11) 5051-9134 / (11) 5051-8691
Rua Inácio Pereira da Rocha, 138/142 - Sala 318 - Vila Madalena - São Paulo - Tel: (11) 99214-3232

Desenvolvido e Hospedado por Eu Quero Eu Posso Eu Faço